fechar

Identifique-se aqui:

Esqueci meu e-mail

entrar

Ou

receber senha / chave de acesso por e-mailEntrar com facebook
fechar

Nova senha

Enviar
Fechar

Esqueci Meu Email

Preencha os campo abaixo para recuperar o seu e-mail cadastrado.

mostrar meu email

Seu email é

Fazer login

trabalhe com a gente

A nossa cultura mora
justamente na passionalidade,
no amor e na linda
incerteza da vida

Não escolhemos a estrada pelo destino.
A escolhemos pelo caminho. Pelo tesão do vento
que até hoje bate no rosto, pelo prazer de ultrapassar
os buracos no percurso, pela adrenalina de pisar fundo
no acelerador e, principalmente, pela honra de conhecer
centenas de milhares de seres humanos neste percurso.
Justamente pelo fato de termos escolhido a incerteza
chegamos em um montão de lugares bacanas
e continuaremos acelerando pela estrada da vida sem
saber exatamente onde chegaremos. Se estivéssemos
escolhido a certeza de um destino já teríamos
parado nele há muito tempo. Quando o sonho
é grande os obstáculos ficam pequeninos.

Não somos homens
de negócios e sim (...)
o próprio negócio

Neste percurso nós não apertamos mãos, nós
abraçamos e beijamos muito! Nós não seguimos
as regras do jogo, sempre fomoso que somos.
Nós paramos em milhares de mesas de bar onde
conhecemos gente diferente de nós e com elas
conversamos e aprendemos. Muitas delas conosco
seguiram pela estrada tendo como regra única
de permanência o AMOR, e, quando o amor acaba,
também com amor, agradecemos pela convivência
e nos despedimos. Quando as empresas crescem
elas passam a acreditar que, para progredir, devem
deixar de ser familiares. Na Reserva será sempre
o contrário: a nossa cultura mora justamente
na passionalidade, no amor e na linda incerteza
da vida. É óbvio que, para sobreviver, teremos
sempre que buscar organizar o nosso caos, mas
o bom caos sempre morará em nós. Falamos que
nosso processo é “caórtico”. Não somos homens
de negócios e sim nós e as centenas de pessoas que
conhecemos pelo caminho somos o próprio negócio.
Gostem ou não gostem de nós, identifiquem-se
ou não conosco, foda-se (com amor, óbvio),
seremos sempre nós.
Rony Meisler

voltar ao topo